Relatos Bíblicos e Lendas Sobre Desastres Durante a Última Passagem de Nibiru.

novembro 17, 2008 às 6:00 pm | Publicado em Nibiru | 2 Comentários
Tags:

Este texto também é de autoria de alguém que se identifica por “Anu” (Anu é o deus dos sumérios e monarca de Nibiru) e que rola pela internet, e eu o coloco sem alterações a seguir (o título “Relatos Bíblicos e Lendas Sobre Desastres Durante a Última Passagem de Nibiru.” também é de autoria de Anu):

“Diversas civilizações registraram catástrofes e destruições atribuídas à passagem de um terrível “cometa” (como Nibiru também é conhecido) que desolou a Terra. Nas Américas, há registros de catástrofes em uma escala global, como no trecho descrito a seguir, relativo a um período particular quando a violência cataclísmica era memorável. As tradições do povo do Peru contam que “…durante um período de tempo igual a cinco dias e cinco noites, o sol não estava no céu, e então o oceano deixou a margem e com um estrondo terrível partiu o continente; a superfície inteira da Terra foi mudada nesta catástrofe.” Manuscritos troianos e documentos Maias descrevem uma catástrofe cósmica durante a qual “…o oceano caiu sobre o continente e um furacão terrível varreu a Terra… O furacão destruiu e levou todas as cidades e todas as florestas. Vulcões explodiram, marés cobriram as montanhas e ventos impetuosos ameaçaram aniquilar a humanidade e de fato aniquilaram muitas espécie de animais. A face da terra mudou, montanhas desmoronaram, outras cresceram e deram origem a cataratas, inúmeros rios perderam seus caminhos e um tornado selvagem moveu-se pelos escombros. Na escuridão varrida pelo vento, materiais resinosos caíram do céu em participação com fogo e água na destruição do mundo. Durante cinco dias, salvo a nafta e os vulcões ardentes, o mundo estava escuro, e o sol não apareceu.”

Em outra parte do mundo temos novos relatos: os Maoris narraram uma catástrofe estupenda em que “os ventos poderosos, as rajadas ferozes, as nuvens, densas, escuras, ígneas, acumulando de modo selvagem, estourando de modo selvagem, caiu sobre toda a criação… e varreu florestas gigantes e chicoteou as águas. A terra gemeu terrivelmente, e o oceano fugiu.”

Mitos de um Sol que desaparece por até dez dias, ou não tão longo, podem ser encontrados em quase todas as culturas antigas – desde o Êxodo bíblico até o Japão. Os trechos apresentados de eventos catastróficos, como os que se seguem, descrevem uma época razoavelmente perto da nossa, não mais que 3.500 anos atrás.

Na História Natural de Plínio lê-se: “Um cometa terrível foi visto pelos povos da Etiópia e Egito ao qual Typhon, rei naquele período, atribuiu o próprio nome; possuía uma aparência de fogo e era trançado como um rolo, e era muito horrendo de se ver; realmente não era uma estrela, mas algo que poderia ser chamado de uma bola de fogo.”

Hevelius (1668), usando referências de um trabalho de Rockenbach, escreveu: “No ano do mundo 2.453 (1.495 A.C), de acordo com certas autoridades, um cometa foi visto na Síria, Babilônia, Índia, no signo de Capricórnio, no formato de um disco, no mesmo momento quando os Israelitas estavam na marcha para o Egito rumo à Terra Prometida.” Rockenbach (1602) houvera escrito antes: “No ano do mundo dois mil quatrocentos e cinqüenta e três – como muitos autores fidedignos, em base de muitas conjeturas, determinaram – um cometa apareceu, como Plínio também mencionou em seu segundo livro. Era ígneo, de forma irregular, com uma cabeça embrulhada; tinha a forma de um globo e era terrível de aspecto. É dito que o Rei Typhon regeu naquele período no Egito… Certas autoridades afirmam que o cometa foi visto na Síria, Babilônia, Índia, no signo de Capricórnio, no formato de um disco, na ocasião quando os filhos de Israel avançaram do Egito para a Terra Prometida, conduzidos pelo pilar de nuvem durante o dia e o pilar de fogo durante a noite.”

A catástrofe surpreendente que acompanhou este período ecoou nas tradições, lendas e mitologia de todos os povos do mundo. Os deuses Zeus dos gregos, Odin dos islandeses, Ukko dos finlandeses, Perun dos pagãos russos, Wotan dos alemães, Mazda dos persas, Marduk dos babilônicos e Shiva dos hindus – são retratados com raios emanando de suas s mãos, sendo descritos como aqueles devastaram a Terra subjugando-a com água e fogo.

Evidências da catástrofe estão diretamente disponíveis nos salmos e em outras partes das Escrituras: “Então a terra chacoalhou e tremeu; as fundações também das colinas se moveram e chacoalharam… Ele também curvou os céus abaixo, e desceu… ele voou nas asas do vento… Ao brilho que estava atrás dele suas nuvens espessas passaram pedras de granizo e carvão de fogo. O Senhor também trovejou nos céus, e o Altíssimo deu a sua voz; pedras de granizo e carvão de fogo… e ele atirou raio… Então foram vistos os canais de água, e foram descobertas as fundações do mundo.” “Os Reinos foram movidos; ele articulou sua voz, e a terra derreteu. As águas o viram; elas tiveram medo; as profundidades também estavam preocupadas… os céus enviaram um som. A voz do trovão estava no céu; os raios iluminaram o universo: a terra tremeu. Nuvens e escuridão estão sobre ele… um fogo atrás dele queimou os inimigos ao seu redor… seus raios iluminaram o mundo: a terra viu, e tremeu.” Era neste momento, no clímax do cataclismo, que os chamados “filhos de Israel” estavam chegando à margem do mar enfrentando os egípcios que haviam entrado em sua perseguição durante o Êxodo. Fosse o que fosse aquele pilar de nuvem que estavam a seguir, parece ter sido o causador das condições cataclísmicas que se disseminaram pelo planeta (a bíblica “separação” das águas), denominado Typhon.

Sobre a mudança dos pólos do mundo e do sol ascendente, o próprio Talmude hebreu testemunha: “Sete dias antes do dilúvio, o Santo mudou a ordem primeva e o sol subiu no oeste e se pôs ao leste.” Os Cashinaua, nativos do Brasil ocidental, têm uma tradição que ecoa narrativa nas Escrituras: “Os raios flamejaram e então trovões rugiram terrivelmente e todos tiveram medo. Então os céus estouraram e os fragmentos se caíram abaixo e mataram tudo e todo o mundo. Céu e terra trocaram de lugares. Nada que tinha vida permaneceu na terra.” “Nada” a não ser os poucos sobreviventes que puderam preservar a tradição deste cataclismo até os dias de hoje.

Podem ser achados mitos relativos ao céu cadente não só entre os Celtas, mas também os Lapps da Finlândia, os Esquimós da Groelândia, os povos do antigo México, China, Tibete, as tribos de Samoa, e as tribos da África oriental e ocidental. Obviamente, nem toda a vida que permaneceu na terra pereceu durante esta série de cataclismos, mas registros dos que pereceram são abundantes. Uma catástrofe de proporções globais, algo que nós não testemunhamos nos dois milênios de nossa própria idade, teria acontecido, de acordo com registros históricos. Não eram desastres isolados em partes diferentes do mundo, como a enchente local do Rio Amarelo na China, a erupção de Krakatoa na Indonésia, ou até mesmo esporádicos meteoritos de granizo – a catástrofe era mundial e muitas culturas descreveram os eventos, sua sequência e o resultado da mesma maneira.

O último aparecimento deste cometa que resultou um cataclismo aconteceu por volta de 1.495 A.C. (ao que tudo indica, a severidade do cataclismo depende da distância relativa e do ângulo entre Nibiru e a Terra durante sua passagem). Extraordinariamente, a celebração cristã e judia da Páscoa (mesmo que a cristã tenha deturpado o sentido da páscoa judaica) , é de fato uma memória da passagem de Nibiru, da morte e calamidade da ultima troca polar! A celebração da Páscoa judaica é em memória às centenas de mortes que assolaram o Egito quando os judeus estavam sob domínio egípcio. Na Bíblia, é descrito que o “Senhor passou” por sobre o Egito matando centenas de pessoas. Esta “passagem” do Senhor é a real celebração do que chamamos de Páscoa (Páscoa, do inglês “Passover” literal Pass-over = passagem), muito possivelmente uma referência à passagem de Nibiru causando mortes e destruição durante a fuga dos israelitas. Moisés, conduzindo seu povo para fora do Egito durante a troca polar, vagou por muitos anos na sombra do vale da morte sob intensa obscuridade vulcânica. É também registrada a destruição das terras egípcias pela troca polar em um papiro egípcio. Este cometa vermelho também foi responsável pela grande inundação durante os dias de Noé, aproximadamente 11.000 anos atrás. A mensagem destes povos antigos tem sido criticada e rejeitada pela ciência. Ainda as advertências de uma destruição radical e súbita de nosso mundo vindas de muitas fontes estão embutidas nas religiões antigas e dogmas culturais. Estas advertências têm e provavelmente serão largamente ignoradas. Mas estão registradas.

A constelação de Leão é freqüentemente associada com a Estrela Messiânica. Esta constelação zodiacal fica próxima de Câncer, onde Nibiru cruzou o plano da elíptica durante sua prévia passagem pelo sistema solar. O aparecimento de Nibiru nos céus durante o periélio está sujeito aos mesmos efeitos como os outros planetas vistos da Terra. Os planetas às vezes parecem lentamente a “dançar” nos céus e a posição de Nibiru nos céus poderia da mesma forma variar, dependendo da posição relativa da Terra a qualquer ponto de seu trânsito. Como tal, Nibiru poderia ser visto cruzando a elíptica pela primeira vez em Leão em vez de Câncer. Os monumentos no Monte Nimrod (Nimrud Dag) na Turquia parecem implicar isto.

Adrian Gilbert visitou o local de Hierothesion Antiochus Epiphanes, que são túmulos de pedras com aparência de pirâmides que situa-se no topo do Monte. Ficando à altura de 50m, este impressionante monumento é acompanhado por estátuas gigantes dos deuses, onde podemos vê-los se encontrando com os homens. Há uma seta longa construída ao lado da montanha que é de 158 metros e fixada à 35 graus. Seu propósito é desconhecido, mas determinada a natureza piramidal de Hierothesion, qualquer um pode imaginar que poderia ser uma “seta estelar” usada para apontar uma parte particular e significante do céu. Gilbert acredita que a seta esteja apontando a estrela Regulus em Leão. Outros monumentos incluem um segundo túmulo na estrada para Urfa de Commagene, este aqui possui 35m de altura. É fixo dentro de vários agrupamentos de pilares verticais, um oferecendo um ninho para uma águia, o outro para um leão sem cabeça. Mais referências astronômicas são deduzidas neste local.

O artefato mais significante do Monte Nimrod está situado no terraço ocidental. Há uma gravura de um Leão em meio a estrelas. Isto nos mostra simbolizar a constelação de Leão, e contém 3 planetas; Marte, Mercúrio e Júpiter e uma lua crescente no peito do leão. Estudiosos mostraram que esta gravura representa um horóscopo, estabelecido no ano 62 A.C.”

Anúncios

2 Comentários »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

  1. Nibiru irá mudar nossas mentes. Não mudaremos apenas nosso jeito de viver, mais sim, o jeito de ver tudo ao nosso redor.

  2. Adorei esse site vou indicar para meus amigos, o conteúdo é parecido com o do http://www.contradicoesbiblicas.com.br


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: